O Décimo Segundo Livro Profético

Naum, o décimo segundo dos dezessete livros proféticos (de Isaías a Malaquias). “Para todos a quem muito é dado, muito dele será exigido” (Lc 12:48). Nínive recebera o privilégio de conhecer o único Deus verdadeiro. Sob a pregação de Jonas, essa grande cidade de gentios se arrependeu, e Deus graciosamente manteve Seu julgamento.

No entanto, mais de cem anos depois, Naum proclama a queda desta mesma cidade. Os assírios esqueceram seu reavivamento e retornaram a seus hábitos de violência, idolatria e arrogância. Como resultado, Babilônia destruirá a cidade de tal modo que nenhum vestígio dela permanecerá – uma profecia cumprida em detalhes dolorosos.

A palavra hebraica nahum (“conforto”, “consolação”) é uma forma abreviada de Neemias (“Conforto de Yahweh”). A destruição da capital da Assíria é uma mensagem de conforto e consolo para Judá e para todos os que vivem com medo da crueldade dos assírios.

O título deste livro nas Bíblias gregas e latinas é Naoum e Nahum.

Autor

O autor do livro de Naum se identifica como Naum (em hebraico “Consolador” ou “Confortador”), o elcosita (1:1). Há muitas teorias a respeito de onde essa cidade era localizada, embora não haja evidências conclusivas. Uma teoria é que ela se refere à cidade mais tarde conhecida como Cafarnaum (que literalmente significa “aldeia de Naum”) no mar da Galileia.

Quando foi escrito

Dada a limitada quantidade de informações que sabemos sobre Naum, o melhor que podemos fazer é reduzir o prazo em que o Livro de Naum foi escrito a entre 663 e 612 aC. Dois eventos são mencionados que nos ajudam a determinar essas datas. Primeiro, Naum menciona Tebas (no Amon) no Egito caindo aos assírios (663 aC) no tempo passado, então isso já tinha acontecido. Em segundo lugar, o restante das profecias de Naum se tornaram realidade em 612 aC.

Esboço

O livro de Naum tem 3 capítulos e podem ser dividos dessa forma:

  • O julgamento de Deus contra Nínive (1:1-15)
  • A queda de Nínive (2:13:19)

Propósito

Naum não escreveu este livro como uma advertência ou uma “chamada ao arrependimento” para o povo de Nínive. Deus já tinha enviado o profeta Jonas cerca de 150 anos antes com Sua promessa do que aconteceria se continuassem em seus maus caminhos. As pessoas daquela época haviam se arrependido, mas agora viviam tão mal (se não pior) do que antes. Os assírios tinham se tornado absolutamente brutais em suas conquistas (entre outras atrocidades, eles penduravam os corpos de suas vítimas em postes e colocavam a sua pele nas paredes das suas tendas). Agora Naum estava dizendo ao povo de Judá para não se desesperarem porque Deus havia pronunciado julgamento e os assírios em breve estariam recebendo o que mereciam.

 

Fontes

  • Introdução traduzida de New King James Version® Copyright © 1982 by Thomas Nelson
  • Got Questions