O Primeiro Evangelho

O Evangelho Segundo Mateus, o primeiro dos quatro evangelhos (de Mateus a João), foi escrito por um judeu aos judeus sobre um Judeu. Mateus é o escritor, seus compatriotas são os leitores e Jesus Cristo é o assunto. O projeto de Mateus é apresentar Jesus como o Rei dos Judeus, o tão esperado Messias.

Por meio de uma série cuidadosamente selecionada de citações do Antigo Testamento, Mateus documenta a afirmação de Jesus Cristo ser o Messias. Sua genealogia, batismo, mensagens e milagres apontam para a mesma conclusão inescapável: Cristo é o Rei. Mesmo em sua morte, a aparente derrota é transformada em vitória pela ressurreição, e a mensagem novamente ecoa adiante: o rei dos judeus vive.

Em uma data anterior, esse evangelho recebeu o título de Kata Matthaion, “Segundo Mateus”. Como esse título sugere, outros relatos evangélicos eram conhecidos naquela época (a palavra “Evangelho” foi acrescentada mais tarde).

Mateus (“Dom de Deus”) também foi chamado de Levi (Mc 2:14; Lc 5:27).

Autor

Este Evangelho é conhecido como o Evangelho de Mateus porque foi escrito pelo apóstolo do mesmo nome. O estilo do livro é exatamente o que seria esperado de um homem que já foi um cobrador de impostos. Mateus tem um grande interesse em contabilidade (18:23-24; 25:14-15). O livro é muito ordenado e conciso. Ao invés de escrever em ordem cronológica, Mateus organiza este Evangelho através de seis discursos.

Como cobrador de impostos, Mateus tinha uma habilidade que torna seus escritos ainda mais emocionantes para os cristãos. Esperava-se que os coletores de impostos fossem capazes de escrever em uma forma de taquigrafia, o que essencialmente significa que Mateus podia gravar as palavras de uma pessoa à medida que falavam, palavra por palavra. Essa capacidade significa que as palavras de Mateus não são apenas inspiradas pelo Espírito Santo, mas devem representar uma transcrição real de alguns dos sermões de Cristo. Por exemplo, o Sermão da Montanha, como registrado nos capítulos 5-7, é quase certamente uma gravação perfeita daquela grande mensagem.

Quando foi escrito

Como um apóstolo, Mateus escreveu este livro no início do período da igreja, provavelmente por volta de 50 dC. Essa foi uma época em que a maioria dos cristãos eram judeus convertidos, assim, o foco de Mateus na perspectiva judaica neste evangelho é compreensível.

Esboço

O Evangelho de Mateus pode ser dividido em quatro seções estruturalmente distintas: Duas seções de introdução, a seção principal, que pode ser ainda dividido em cinco seções, cada uma com uma componente narrativa acompanhada de um longo discurso de Jesus e, finalmente, a seção da Paixão e Ressurreição.

  1. Contendo a genealogia, o nascimento e a infância de Jesus (Capítulos 1 e 2).
  2. Os discursos e ações de João Batista preparatórias para o ministério público de Cristo. (Capítulos 3 e 4:11)
  3. Os discursos e o ministério de Cristo (caps. 4:1226:1).
    • O Sermão da Montanha, a moral relativa (caps. 5, 6 e 7)
    • O Discurso Missionário, a respeito da missão que Jesus deu a seus doze apóstolos. (cap. 10)
    • O Discurso das Parábolas, histórias que ensinam sobre o Reino de Deus. (cap. 13)
    • O Discurso sobre a Igreja, sobre as relações entre os discípulos. (cap. 18)
    • O Discurso no Monte das Oliveiras: sobre sua segunda vinda, o julgamento das Nações e fim dos tempos. (caps. 24 e 25)
  4. O sofrimento, morte e ressurreição de Jesus, a Grande Comissão. (caps. 26, 27 e 28)

Propósito

Mateus tem a intenção de provar aos judeus que Jesus Cristo é o Messias prometido. Mais do que qualquer outro evangelho, Mateus cita o Antigo Testamento para mostrar como Jesus cumpriu as palavras dos profetas judeus. Mateus descreve em detalhes a linhagem de Jesus desde Davi e usa muitas expressões familiares aos judeus. O amor e preocupação de Mateus por seu povo é visível através de sua abordagem minuciosa de contar a história do evangelho.

 

Fontes

  • Introdução traduzida de New King James Version® Copyright © 1982 by Thomas Nelson
  • Got Questions