O Quarto Evangelho

O Evangelho Segundo João, o último dos quatro evangelhos (de Mateus a João). Assim como uma moeda tem dois lados, ambos válidos, então Jesus Cristo tem duas naturezas, ambas válidas. Lucas apresenta Cristo em Sua humanidade como o Filho do Homem; João o retrata em sua divindade como o Filho de Deus. O propósito de João é cristalino: estabelecer Cristo em Sua divindade para estimular a fé em seus leitores.

O evangelho de João é atual e cronológico, e gira em torno de sete milagres e sete afirmações de “eu sou” de Cristo. Depois de uma descrição de testemunhas oculares estendida da refeição e discurso do Cenáculo, João registra eventos que levaram à Ressurreição, a prova climática final de que Jesus é quem Ele afirma ser – o Filho de Deus.

O título do Quarto Evangelho segue o mesmo formato dos títulos dos Evangelhos sinóticos: Kata Ioannen, “Segundo João”. Assim como os outros, a palavra “Evangelho” foi acrescentada mais tarde. Ioannes é derivado do nome hebraico Johanan, “Yahweh foi gracioso”.

Autor

João 21:20-24 descreve o autor como sendo “o discípulo que Jesus amava” e por razões tanto históricas quanto internas, acredita-se que esse seja o apóstolo João, um dos filhos de Zebedeu (Lc 5:10).

Quando foi escrito

A descoberta de certos fragmentos de papiros em cerca de 135 AD requer que o livro tenha sido escrito, copiado e distribuído antes disso. Enquanto alguns acreditem que tenha sido escrito antes da destruição de Jerusalém (70 AD), 85-90 AD é uma data mais aceita para a sua escrita.

Esboço

  • Prólogo: A encarnação do Verbo (1:1-18)
  • Ministério público de Jesus, o Cristo
    • João Batista (1:19-34)
    • Jesus começa o seu ministério (1:353:36)
    • Revelação de Jesus como o Cristo e confronto com as autoridades judaicas (4:16:71)
    • Revelação de Jesus como a luz e a vida para o mundo (7:112:50)
  • Paixão, morte e ressurreição
    • A última ceia (13:117:26)
    • A ceia. O novo mandamento. Discursos de despedida (13:116:33)
    • A oração sacerdotal (17:1-26)
    • Prisão, julgamento, morte e sepultamento (18:119:42)
    • A ressurreição
  • Epílogo (21:24-25)

Propósito

João 20:31 cita o propósito como sendo o seguinte: “Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.” Ao contrário dos três Evangelhos sinóticos, o propósito de João não é apresentar uma narrativa cronológica da vida de Cristo, mas mostrar a sua divindade.

João queria não só fortalecer a fé dos crentes da segunda geração e levar outros à fé, mas também corrigir uma falsa doutrina que estava se espalhando. João enfatizou Jesus Cristo como sendo “o Filho de Deus”, totalmente Deus e totalmente homem, ao contrário da falsa doutrina do “espírito-Cristo”, a qual afirmava que esse espírito tinha vindo sobre o homem Jesus em Seu batismo e deixado-o na crucificação.

 

Fontes

  • Introdução traduzida de New King James Version® Copyright © 1982 by Thomas Nelson
  • Got Questions