A Quarta Epístola Paulina

A Carta de Paulo aos Gálatas, a quarta das treze cartas de Paulo (de Romanos a Filemom [com Hebreus são quatorze, veja mais]). Os gálatas, tendo iniciado sua experiência cristã pela fé, parecem satisfeitos em deixar sua viagem de fé e traçar um novo curso baseado em obras – um curso que Paulo acha perturbador. Sua carta aos gálatas é um ataque vigoroso contra o evangelho das obras e uma defesa do evangelho da fé.

Paulo começa expondo suas credenciais como apóstolo com uma mensagem de Deus: a bênção vem de Deus com base na fé, não na lei. A lei declara os homens culpados e os aprisiona; a fé liberta os homens para desfrutarem da liberdade em Cristo. Mas liberdade não é permissão. Liberdade em Cristo significa liberdade para produzir os frutos da justiça através de um estilo de vida guiado pelo Espírito.

O livro chama-se Pros Galatas, “Aos Gálatas”, e é a única carta de Paulo que é especificamente dirigida a várias igrejas (“às igrejas da Galácia”, 1:2). O nome Gálatas foi dado a este povo celta porque eles originalmente viviam na Gália antes de sua migração para a Ásia Menor.

Autor

Gálatas 1:1 claramente identifica o apóstolo Paulo como o seu autor.

Quando foi escrito

Dependendo de aonde exatamente o livro de Gálatas foi enviado e em qual viagem missionária Paulo iniciou as igrejas naquela área, o livro de Gálatas foi escrito em algum lugar entre 48 e 55 dC.

Esboço

  • Prefácio e saudação (1:1-9)
  • O Evangelho anunciado pelo apóstolo
    • Recebido mediante revelação direta de Jesus Cristo (1:10-24)
    • Reconhecido pelos líderes da igreja de Jerusalém (2:1-14)
    • Centraliza-se na justificação pela fé em Cristo (2:15-21)
  • O Evangelho da graça de Deus e a liberdade cristã
    • A suficiência da fé (3:1-14)
    • A relação entre lei e promessa (3:15-29)
    • Demonstração de que a salvação é obra da graça de Deus (4:1-31)
    • Exortação a permanecer firmes na liberdade (5:1-12)
  • O uso da liberdade cristã
    • O correto uso da liberdade cristã (5:13-26)
    • A vida no Espírito (6:1-10)
  • Conclusão e bênção (6:11-18)

Propósito

As igrejas em Galácia eram formadas em parte de judeus convertidos e em parte de gentios convertidos, como era geralmente o caso. Paulo afirma seu caráter apostólico e as doutrinas que ensinava a fim de confirmar as igrejas da Galácia na fé de Cristo, especialmente no que diz respeito ao ponto importante da justificação pela fé. Assim, o assunto é essencialmente o mesmo ao discutido na epístola aos Romanos, ou seja, a justificação pela fé. Nesta carta, contudo, a atenção é especialmente dirigida ao ponto de que os homens são justificados pela fé sem as obras da Lei de Moisés.

Gálatas não foi escrito como uma redação sobre a história contemporânea. Foi um protesto contra a corrupção do evangelho de Cristo. A verdade essencial da justificação pela fé e não pelas obras da lei tinha sido obscurecida pela insistência por parte dos judaizantes de que os crentes em Cristo deviam cumprir a lei se esperavam ser perfeitos diante de Deus. Quando Paulo soube que este ensino tinha começado a influenciar as igrejas de Galácia e que os tinha afastado de sua herança de liberdade, ele escreveu o forte protesto contido nesta epístola.

 

Fontes

  • Introdução traduzida de New King James Version® Copyright © 1982 by Thomas Nelson
  • Got Questions