O Oitavo Livro Profético

Amós, o oitavo dos dezessete livros proféticos (de Isaías a Malaquias). profetiza durante um período de otimismo nacional em Israel. Os negócios está crescendo e as fronteiras estão avançando. Mas abaixo da superfície, ganância e injustiça estão multiplicando.

Movimentos religiosos hipócritas substituíram a adoração verdadeira, criando uma falsa sensação de segurança e uma crescente insensibilidade à mão disciplinadora de Deus. Fome, seca, pragas, morte, destruição – nada pode forçar as pessoas a se ajoelharem.

Amós, o fazendeiro que se tornou profeta, ataca o pecado com firmeza, tentando visualizar a proximidade do julgamento de Deus e mobilizar a nação ao arrependimento. A nação, como uma cesta de frutas podres, está pronta para o julgamento por causa de sua hipocrisia e indiferença espiritual.

O nome Amós é derivado da raiz hebraica amas, “para levantar um fardo, para carregar”. Assim, seu nome significa “Carga” ou “Portador de Carga”. Amós vive de acordo com o significado de seu nome ao carregar sob seu nome a carga divinamente dada para declarar o julgamento ao Israel rebelde.

Os títulos grego e latim são ambos transliterados em português como Amós.

Autor

Amós 1:1 identifica o autor desse livro como sendo o profeta Amós.

Quando foi escrito

O livro de Amós foi provavelmente escrito entre 760 e 753 AC.

Esboço

  • Depois do título (1:1) e uma breve introdução (1:2), inicia-se uma série de óraculos (1:32:16) contra as nações vizinhas que é feito em várias direções seguindo uma simetria de pontos opostos: Damasco, a nordeste; Gaza, no poente; Tiro, a noroeste; Edom, a sudeste e Amon e Moab no nascente, por suas crueldades entre si e até mesmo, o mais extenso deles, contra Israel. Há condenações contra Judá e Israel, por sua idolatria.
  • Os capítulos de 3 a 6 condenam Israel por sua hipocrisia (porque apesar de terem cometido idolatria, ainda realizavam as festas do Pentateuco) e injustiça social, merecendo destaque o discurso contra a impenitência de Israel (4:6-13), as palavras contra o culto de Betel (4:4-5; 5:4-5,21-27), as denúncias contra a injustiça social (3:9-11; 4:1-3), contra o orgulho e as falsas seguranças (3:1-22; 5:18-20; 6:1-7,13-14)
  • No capítulo 7, o autor nos informa que foi chamado à corte do rei Jeroboão II para explicar suas profecias, que eram desfavoráveis ao rei. Ele acaba não sendo punido e acaba advertindo o rei.
  • O livro termina com uma mensagem de que, apesar de Deus castigar a Israel, Deus irá restaurar a nação, quando ela se voltar a Deus.

Propósito

Amós é um pastor e apanhador de frutas da aldeia judaica de Tecoa quando Deus o chama, embora não tenha uma educação ou conhecimento sacerdotal. A missão de Amós foi direcionada para o seu vizinho do norte, Israel. Suas mensagens de iminente ruína e cativeiro para a nação por causa de seus pecados foram amplamente impopulares e ignoradas, no entanto, porque estavam vivendo os melhores tempos desde os dias de Salomão.

O ministério de Amós ocorre enquanto Jeroboão II reina sobre Israel e Uzias reina sobre Judá.

 

Fontes

  • Introdução traduzida de New King James Version® Copyright © 1982 by Thomas Nelson
  • Got Questions